12 de mar de 2010

Quando cheguei por aqui, me apaixonei de tal maneira, que saí fotografando tudo e todos que vi...
talvez por isso , esse blog pareça uma "colcha de retalhos"...
em terra de pescadores e bordadeiras, dar trabalho as mãos... bordando palavras, fotos e fatos daqui e de acolá...me parece ser  necessário...
a idéia é se misturar e aprender com essa
terra , cultura e gente...
e dividir com quem ainda não veio, ou se foi levando saudade... 
(uma homenagem a Sérgio, poeta)  

a rádio sobre rodas...

horário dos ônibus!!!

Horário dos ônibus
Rodoviária de Natal - Baía Formosa
8:15 - 12:20 - 16:40
De Baía Formosa - Rodoviária de Natal
06:00h  - 14:30h 

11 de mar de 2010

O crochê em Baía Formosa ...

A arte manual que pede paciência e delicadeza, ainda é a maior fonte de renda das mulheres da cidade. Com essa tradição fortemente mantida, é possível encontrar redees inteirinhas feitas a mão, roupas dos mais variados modelos, toalhas de mesa, colchas de cama... uma infinidade de rendas e bordados feitos com excelência .

A origem do crochê !

"A origem do crochê é incerta; ignora-se se  é chinesa (descoberta pela rota da seda), peruana, tunisiana, egípcia ou dinamarquesa.
Mas os primeiros trabalhos conhecidos como crochê remontam ao fim da Idade Média.Nesse período, religiosas ensinavam a técnica às jovens de famílias nobres; com o crescimento e a evolução dessa prática manual,o crochê tornou-se o passatempo predileto das damas da corte da Itália,da Espanha e da França.
 
Na Renascença e durante a época de Luís XIV a técnica se aprimorou, assim como a qualidade dos trabalhos.A Revolução Francesa propiciou indiretamente a difusão do crochê para todos os países da Europa (Irlanda, Inglaterra e países nórdicos) graças às famílias nobres que ali se exilaram, levando consigo esse conhecimento.
Mas o apogeu do crochê acontece na Irlanda do século 19, época que se transformou uma verdadeira indústria artesanal.
Com efeito, após a Grande Fome de 1846, dizem que a Madre Superiora de um convento daquele país pediu às irmãs que ensinassem a técnica às mulheres do povo, a fim de que pudessem trabalhar sem sair de casa.Essa iniciativa teve um sucesso fabuloso, assim surgiram as guipures da Irlanda, fabricadas à mão em Dublin e Belfast, e exportadas para o mundo inteiro, particularmente para a Inglaterra Vitoriana.

Essa renda servia para ornamentar roupas e a lingerie da corte, e com ela também se produziam pequenos objetos para os salões dos palácios.
Na França crescia igualmente o interesse pelo crochê, mas o trabalho feito à mão é progressivamente substituído pela produção industrial.
A técnica, que anteriormente passava de geração em geração, numa tradição que unia transmissão do conhecimento de forma oral e manual, passou a ser objeto de livros, nos quais se publicavam os pontos básicos seguidos de inúmeros projetos e modelos.
 
Assim, Mademoisellle Riego de La Blanchardière, depois de ter ensinado a técnica do crochê à corte da Rainha Vitória, publicou a primeira revista sobre o assunto: The Needle.
 
A moda do crochê mudou no fim do período Vitoriano, nos anos 1890.Já na era Eduardiana, a renda crochetada teve seu ápice entre os anos 10 e 20 do século passado, apresentando texturas e pontos mais elaborados.
 
As cores fortes cederam lugar ao branco e aos tons pálidos, exceção feita apenas quando a técnica surgia em bolsas.Nesse caso somavam-se fios de sedas multicoloridas e miçangas.
 
Após a Primeira Guerra Mundial, surgem poucos modelos de crochê em sua maioria versões simplificadas daqueles que fizeram sucesso no início do século 20.
Terminada a Segunda Guerra Mundial, os últimos anos da década de 40 até o início dos anos 60, há um ressurgimento da técnica, agora direcionada ao artesanato decorativo.Fazendo uso de fios coloridos e encorpados, surgiam tapetes, descansos de travessas, pegadores de panela etc...
 
Nos anos 70 popularizaram-se os grandes quadrados multicoloridos de crochê, que os hippies usaram num sem número de aplicações.Hoje ele reina sobre os objetos decorativos e ganhou enorme expressão nas passarelas da moda.

Tipos de crochê


Crochê filé: blocos de pontos altos intercalados com “vazios” caracterizam essa trama quadriculada.Alguns riscos simples de ponto cruz podem ser transformados em filé.
 
Crochê tunisiano.Usa-se uma longa agulha parecida com a agulha usada em tricô,porém com gancho na ponta.Cada carreira é feita em duas fases, a primeira da direita para a esquerda e a segunda, da esquerda para a direita, sem virar o trabalho.
Broomstick-lace: É um crochê apesar de ser feito com uma larga agulha de tricô.Na verdade essa ferramenta serve de orientação às laçadas sobre as quais será feita a nova carreira.Sua textura parece com o crochê de grampo.
 
Crochê de grampo ou grampagem: Aqui a ferramenta de sustentação é um grande “U” em madeira ou metal sobre o qual são tecidas faixas com a ajuda de uma agulha de crochê.Depois essas faixas são unidas com uma grande variedade de pontos crochetados.
Crochê duplo: feito com uma grande agulha com ganchos nas duas extremidades.Isso permite que você trabalhe as duas faces da trama, que ficará bem encorpada e, se quiser, em cores alternadas".

tradição familiar

Hoje preside o Centro Social Vânia Duarte

!

10 de mar de 2010

cenas do dia a dia de BF


a tranquilidade e simplicidade dessa terra e gente formosa,
impressiona e cativa...

Filmado em Baía Formosa

Sonhos de Peixe (2006)

viajou o mundo...

Rússia / EUA / Brasil

Jusce, um pescador de lagostas de um vilarejo nordestino, é apaixonado por Ana, que só se interessa por uma vida sonhada por meio das imagens que vê em novelas da TV. Quando o velho amigo de Jusce, Rogério, retorna à cidade como bugueiro, a atenção da jovem fica dividida. Jusce conta com a ajuda se seus amigos pescadores para tentar, pela última vez, conquistar o coração de Ana. Locações em Baía Formosa, no Rio Grande do Norte.
diretor
Kirill Mikhanovsky


roteiro
Kirill Mikhanovsky


fotografia
Andrij Parekh


montagem
Adam Walsh, Nestor Klippning


música
Artur Andrés Ribeiro


elenco
José Maria Alves, Rúbia Rafaelle, Chico Diaz, Phellipe Haagensen, Yves Hofer, Demóclito da Silva "Nego"


produtor
Eliane Ferreira, Emanuel Michel, Jacob Michelson, Fernanda de Capua, Matias Mariani


produtora
Unison Films




world sales
Bavaria Film Fernsehlager


115 minutos
color, 35mm

4 de mar de 2010

a origem de Baía Formosa

No  princípio era a floresta, com seu formato de estrela, suas lagoas, sua fauna e flora; eram as dunas, com sua vegetação nativa, suas areias douradas ; eram os rios, o mar...com seus peixes, lagostas, camarões e demais frutos. Os indios nativos, batizaram o lugar de ARETIPICABA nome de origem Tupi , de acordo com escritos de Câmara Cascudo.
De ara papagaio, e tibicaba tanque.
Temos portanto "Bebedouro dos Papagaios".
Curiosamente, no apógrafo espanhol da Biblioteca de Madri, existem  documentos disponíveis para pesquisa que não mencionam Aretipicaba e sim AZATIPATICANA. Já nos registros de Gabriel Soares de Souza, datados de 1587 , encontramos a seguinte descrição da costa local: " Entre um e outro rio está a enseada Aratipicaba, onde dos arrecifes para dentro entram naus francesas que fazem lá sua carga." Sabemos que a carga mencionada era o  Pau-brasil, e que nessa época, doze anos antes a fundação de Natal, já era habitada e também um promissor centro de produção.
No ano de 1612 o nome de Baía Formosa aparece pela primeira vez no mapa de "João Teixeira", enquanto que no mapa do holandês "Marcgrave" editado em 1643 , aparecem duas novas denominações para o lugar, Guaratapeiuba ou Baya Fermosa. Em meados do século XVII, quando deu-se por encerrado o corte Pau-brasil, Baía Formosa passou a ser área de pesca , "refrigério dos Albuquerques Maranhães e fazendeiros abastados das cercanias".
Em novembro de 1892, tornou-se município de Canguaretama. Em seguida foi construída a capela de Nossa Senhora da Conceição , e começaram as plantações de cereais, aumentaram a pesca, sobretudo de albacoras "abundantes e famosas pelo sabor, capturadas na técnica do corso".
Ainda segundo os registros de Câmara Cascudo; "o acontecimento mais lembrado na memória popular foi a matança de agosto de 1877" . Jõao de Albuquerque Maranhão Cunhaú (1835 - 1896), senhor do Engenho Estrela, latifundiário poderoso da região, foi a frente de grupo armado ao vilarejo desalojar todos os moradores, alegando posse indevida e dizendo-se propietário da enseada. E foi recebido pelo grupo de 14 pescadores "liderados por Francisco Magalhães " armados apenas com facas e cacetes,que enfrentaram em luta furiosa a escolta agressora em defesa de suas casas e famílias. Houveram seis mortes, incluindo a do filho do Sr. Cunhaú. Houve naquela época um processo e o próprio chefe de polícia Francisco Clementino de Vasconcelos Chaves, efetuou a prisão do acusado, mandante e participante da chacina. Submetido a júri em Canguaretama, foi absolvido em 1878.
No século XIX, no ano de 1894, apesar dos conflitos permanentes pelo domínio das terras da região, Baía Formosa já tinha uma povoação bastante elogiada, transformando-se oficialmente em  Vila no ano de 1953.
Mas apenas cinco anos depois, ganhou o título de cidade . Através da Lei 2.338, de 31 de dezembro de 1958 elevou-se a categoria de município, instalado já no dia 01 de janeiro de 1959. Assim sendo apesar de serem consideradas´propriedades privadas, os distritos do novo município passaram a ser: Pituba, Sagi, Coqueiro, Estreito e Pedrosa.

         (texto Nathalie Bernardo da Câmara ) 

25 de fev de 2010

Dia desses, conversando com alguns moradores da cidade, descobri que muitos artistas e "arteiros" decidiram adotar BF e  mudaram prá cá.


Um deles é "Batista Cigano" respeitado sanfoneiro e compositor da legítima música de raíz nordestina.


Batista traz na bagagem a experiência de ter tocado muito e ter cativado muitos fãs e amigos ao longo de sua carreira.
Como músico foi da banda de Elba Ramalho,
Sivuca,
Dominguinhos
e Regina Casé!


Apaixonado por Luiz Gonzaga a quem atribui todo emocionao o lugar de "Rei" inigualável,
aprendeu desde menino a tocar sanfona e hoje no auge dos seus 44 anos o compositor também divide o palco com seu filho Maxwell.


Batista Cigano é de "Januário Circo-RN" 
(pertinho de Santo Antônio do Salto da Onça) Resolveu viver com a família em baía Formosa  graças a tranquilidade e beleza do lugar.
Ganham eles, ganhamos nós!


Porque todos os dias é possível ouvir seu trio delicioso na barraca Chalemar, onde também  divulgam o primeiro CD Voando pelo Brasil!
Se precisar de uma banda prá lá de de boa, é só procurar a turma do "cigano"...



contato: (84) 9189 4620 e (84) 9141 7553

20 de fev de 2010

Capítulo a parte: Os Papangus!

Confesso aqui minha ignorância about essa tradição nordestina carnavalesca... 
Já havia visto esses meninos "mascarados" na Praia do Forte na Bahia,
também em Pernambuco e até mesmo mesmo no Ceará, mas não tinha prestado muita atenção...


Dessa vez realmente me apaixonei quando um grupo invadiu nossa varanda e "brincou" o Carnaval.


Saí em busca da origem, eis o que encontrei: 


Veja, o que alguns estudiosos da cultura popular dizem sobre :

Em artigo sobre as procissões religiosas em Pernambuco, publicado pela Revista de História Municipal, em junho de 1978, Renan Pimenta Filho assim descreve os Papangus:

?Indivíduo que ia à frente da Procissão de Cinzas encarregado de tocar corneta anunciando o cortejo. Vestia uma túnica de tecido escuro, tinha a cabeça e o rosto cobertos por um capuz branco com três buracos  um na boca e dois nos olhos. Levava um chicote com o qual batia nos moleques que tentavam perturbar o desfile religioso. Atrás do Papangu, vinham as várias alas da procissão.

No Dicionário do Folclore Brasileiro, Luís da Câmara Cascudo informa que o termo papangu vem de uma espécie grosseira, assim apelidada, e que, à espécie de farricoco (NR. encapuzado que acompanhava as procissões de penitência tocando trombeta de vez em quando), tomava parte nas extintas procissões de cinzas, caminhando a sua frente, armado de um comprido chicote de couro torcido), com que ia fustigando o pessoal que impedia a sua marcha.

Figura temida, sobretudo pelas crianças, o papangu que puxava as procissões religiosas começou a ser questionado até que, em 1831, foi proibido:Ficam proibidos os farricocos e papangus, figura de morte e de tirano, nas procissões que a Igreja celebra no tempo da Quaresma. Depois dessa proibição, o termo papangu passou a denominar tudo o que fosse agressivo, grosseiro, "rebelde". Em 1846, circulou no Recife um jornal político, de linha editorial panfletária, sob o título de "O Papa-Angu".

Atualmente, como todo bom folião sabe, os papangus são apenas alegres mascarados que enchem as ruas das cidades nordestinas, nos dias de carnaval.




 

Carnaval 2010 ... a invasão divertida dos Papangus!


Nunca  imaginei que o Carnaval daqui seria tão bom...(por ser tranquilo) mas é!


Com marchinhase seus blocos:
Das "Kengas",
Burro Mulo,
Morcegão,
Pontal Folia,
Da Ressaca...


E mais shows,
trios,
mela-mela, 
PAPANGUS,
e até um mini corredor da folia...


a festa que foi animada e só acabou mesmo nessa quinta-feira!

2 de fev de 2010

Dica de Tereza



Quando falamos de surf em Baía Formosa não podemos deixar de falar do Pontal, um dos dez melhores picos escolhidos pelo surfista paraibano Fábio Gouveia e 'berço' de Alan Jones, surfista formoso, filho de Cocota e Cida e campeão nordestino.
O Pontal oportuniza um surf radical pois lá os surfistas pegam ondas sobre uma laje de pedras que inclui a "Rosa".
No Pontal também é possível encontrar Zé Pretinho, um surfista nativo que já rodou meio mundo atrás das ondas e que prepara o melhor peixe de Baía Formosa. Tudo isso vale a pena conferir!!! 
Tereza Camara

23 de jan de 2010

Esperança

mesmo que a "esperança" esteja de ponta cabeça...ela é a ferramenta desses bravos pescadores que se embrenham no mar todas as madrugadas...todos os dias!

dando nome aos...barcos

gente da terra

gente da terra

sol se pondo na baía

período de pesca terminando

O período da pesca do "albacora" ou atum brasileiro chegou ao fim... Mas outros peixes  continuam abundantes por aqui!
Na Praia do Porto é possível comprar bem "fresquinhos", recém saídos do mar. E de sobra ainda ver os meninos e meninas surfando entre os barcos ancorados na Baía e se der sorte, olhar a dança dos golfinhos no do por do sol!!!

Cosme e Damião!

9 de nov de 2009

praia do bacupari


Severino e Djalma (das vassouras)

Fábrica de Vassouras "recicladas"

a fábrica ocupa um pequeno espaço no Mercado das Artes,
fica no Largo Gomes da Cruz, 68/Centro.
telefone (84)3244 2141
Conversando com Djalma, descobri que são necessárias 6 garrafas de 2 litros para fazer uma única vassoura.
Eles recebem doações de vários tipos de embalagens plásticas e dão utilidade a todas!!
Um excelente exemplo a ser seguido!

artesanato consciente formosense!!

produção de vassouras

A produção ainda é pequena, mas a força de vontade  é enorme! Djalma e Severino trabalham 6 horas por dia e fabricam aproximadamente 100 vassouras por mês.
Nos meses bons, chegam a ganhar um salário de R$ 50,00 cada um...

reciclagem!!!

Djalma Ferreira da Silva(na foto)
é uma daquelas pessoas que valem a viagem! Responsável pela fábrica de vassouras ele e seu fiel ajudante, reciclam as garrafas "pets" da cidade e dão a elas uma nova vida útil!

Baia Formosa

Tide o mais famoso dos formosos!!

6 de nov de 2009

about

Baía Formosa é quase vizinha a Pipa
e a última cidade ao sul potiguar,antes da divisa do estado com a Paraíba.
Existem passeios de Pipa para BF diariamente (de buggy) pelas praias, Lagoa Coca-Cola e Mata Estrela.(atrações mais conhecidas daqui)


Estar em Baía Formosa é que muda o olhar e o enfoque,
mesmo hoje em dia, dá para descobrir paraísos pouco conhecidos e/ou divulgados na  região.


Pescadores, surfistas e famílias são as figuras mais constantes na cidade,
o lugar é realmente muito bom para surfar e descansar.


A populaçõa local passa o ano inteiro esperando o período das férias chegar para preencher uma parte da cidade que fica praticamente abandonada durante o ano todo,
as casas de veranistas de João Pessoa, que chegam trazendo um colorido todo especial e movimentam a economia local.
Vida noturna praticamente não existe, além de alguns poucos lugares para jantar ou lanchar.
Mas quando amanhece o dia...


PS: vale conhecer o MERCADO das ARTES!
Merece um capítulo a parte...

31 de out de 2009

Sorriso Formoso de Dona Giselda!

Como ela diz;
 "filha natural de Baía Formosa, é formosura"

26 de out de 2009

Tide

praia de surfista?

Praia de surfista sim senhor!
Em Baía Formosa parece que não existe uma época certa para surfar, embora exista.
Como tem gente surfando por aqui...na praia do Farol, na do Bacupari e mesmo na Praia do Porto, entre os vários barquinhos de pescadores que estão de setembro a dezembro por causa da pesca do albacora (espécie de atum). Aliás esse é um capítulo delicioso a parte...que peixe gostoso! 

lugares

detalhes do lugar

treminhão

O nome já diz tudo, mas vale mostrar já que rendeu tão bela foto! 

a paisagem é linda, mas a estrada...

Vale uma dica: na estrada cuidado!
De Natal para Baía Formosa são só uns 90 e poucos km, mas boa parte do trecho está em obras...a noite a sinalização é ruim e o tráfego de caminhões e "treminhões" é intenso, se puder optar viaje de dia e sem pressa!
Ainda tem a opção de ir via João Pessoa que aumenta a viagem nuns 10 km, mas está bem melhor nessa época do ano.(outubro de 2009)

a estrada para Baía Formosa,

A própria estrada para Baía Formosa é bacana de se olhar, no começo repleta de cana de açucar,